O que mudou em 2015 e o que vai animar o mercado em 2016?

nuvemDa proteção dos consumidores ao desenvolvimento do Mercado Digital Único, passando pelo crescimento esperado do Coud Computing e a expectativa do contágio positivo que o WebSummit pode trazer a Portugal, os pontos positivos e negativos são muitos, mas há alguns que conseguem maior sintonia.

A realização do WebSummit em Portugal em 2016, e durante três anos, foi um dos temas que ganhou maior número de referências no trabalho realizado de balanço de 2015 e perspetivas para 2016. O impacto do evento, que é um dos mais dinâmicos e com visibilidade garantida para as startups, é olhado com optimismo sem reservas por todas as associações convidadas pelo TeK para este trabalho. E a expectativa é que exista um contágio positivo do empreendedorismo nacional.

Como não podia deixar de ser, as promessas do Mercado Digital Único centram também muitas das expectativas para este ano, a maioria das quais positivas, nomeadamente pela mão da APDSI e da ANETIE. Já a próxima eliminação das taxas de roaming divide opiniões, enquanto do lado dos consumidores é vista como uma conquista, as operadoras comunicações temem o impacto que pode ter na criação de assimetrias na balança de pagamentos entre países, nas receitas e na capacidade de inovação e diferenciação das empresas.

O défice de competências em TI, e a necessidade de reforçar mais recursos, está presente também em muitos dos alertas, avisando a ANETIE que este poderá ser o calcanhar de Aquiles de um desenvolvimento mais acentuado do sector em Portugal.

Sem surpresas, a estagnação económica foi também apontada pela APDC, que espera que este ano o tecido empresarial nacional invista para aprofundar a mudança para o digital, uma transformação obrigatória para garantir a sobrevivência das empresas.

A Associação para o Desenvolvimento das Comunicações destaca ainda o movimento de fusões e aquisições, onde a entrada da Altice na PT é um dos pontos fortes, mas onde não falta também a referência à compra da Alcatel-Lucent pela Nokia e à parceria global entre a Cisco e a Ericsson.

No geral, o optimismo é uma nota presente na grande maior das opiniões expressas ao TeK, mesmo com avisos e alertas à "navegação" em algumas áreas relevantes para as Tecnologias da Informação, Comunicação e Media. A ideia de que tudo, ou quase tudo, será possível está bem patente, podendo Portugal assumir um papel de destaque no panorama internacional.

Fonte: tek.sapo.pt